20 de ago de 2010

Slash & Fergie - Beautiful Dangerous




I don’t know who you are now
Mystery drenches my brain
I wanna jump deep into your mouth
Cuz something tell’s me it’s gonna rain

[BRIDGE]
I hear the drum rolls thumping
And my heart starts jumping
And that’s when I spit on the floor
Now my head’s exploding
And your gun is dirty
So I’m guessing I’m on a roll
Well it’s a fine time
Looking for a wine time man
And you said “baby you ready to play”
Well come right on this roller coaster
Cuz it ain’t over, it ain’t over

[CHORUS]
Now we’re on this planet
I’m in love with all your dangers, dangers
We can live forever
I can be your favorite angel, angel
Beautiful Dangerous

We acted smooth like rain
Save all flame that we’ll light
You can be sick, I’ll be nasty
Cuz sometimes it’s more fun to fight

I hear the drum rolls thumping
And my heart starts jumping
And that’s when I spit on the floor
Now my head’s exploding
And your gun is dirty
So I’m guessing I’m on a roll
Well it’s a fine time
Looking for a wine time man
And you said “baby you ready to play”
Well come right on this roller coaster
Cuz it ain’t over, it ain’t over

[BRIDGE]

Now we’re on this planet
I’m in love with all your dangers, dangers
We can live forever
I can be your favorite angel, angel
Beautiful Dangerous (3x)

[CHORUS]

(GUITAR SOLO)

[CHORUS 2x]

19 de ago de 2010

A liberdade da internet é ainda maior que a liberdade de imprensa, na medida em que a imprensa compreensiva do rádio e da televisão se define como serviço público sob regime de concessão ou permissão, ao passo que a internet se define como instância de comunicação inteiramente privada”
MinistroAyres Britto, do STF

17 de ago de 2010

Arquitetura Funcional

Mario Quintana

Não gosto da arquitetura nova
Porque a arquitetura nova não faz casas velhas
Não gosto das casas novas
Porque casas novas não têm fantasmas
E, quando digo fantasmas, não quero dizer essas
Assombrações vulgares
Que andam por aí...
É não-sei-quê de mais sutil
Nessas velhas, velhas casas,
Como, em nós, a presença invisível da alma...
Tu nem sabes
A pena que me dão as crianças de hoje!
Vivem desencantadas como uns órfãos:
As suas casas não têm porões nem sótãos,
São umas pobres casas sem mistério.
Como pode nelas vir morar o sonho?
O sonho é sempre um hóspede clandestino e é preciso
(Como bem sabíamos)
Ocultá-lo das outras pessoas da casa,
É preciso ocultá-lo dos confessores,
Dos professores,
Até dos Profetas
(Os Profetas estão sempre profetizando outras coisas...)
E as casas novas não têm ao menos aqueles longos,
Intermináveis corredores
Que a Lua vinha às vezes assombrar!

3 de ago de 2010

CONGRESSO FORA DO EIXO



Convidamos você para participar do Congresso Regional Sul Fora do Eixo que ocorrerá nos dias 20, 21 e 22 de agosto desse ano, em Santa Maria, no SESC.

O congresso será um espaço de interação e apresentação das diferentes realidades dos coletivos de ação cultural, servindo para articular uma rede de trabalho e ações conjuntas, que visa estimular a produção cultural local e criar possíveis rotas de circulação dessa produção a nível regional, nacional e internacional. Serão realizadas rodadas de discussão a respeito das redes e movimentos culturais hoje,  políticas publicas para a cultura, organização dos coletivos e sustentabilidade, além de outros eixos temáticos que envolvem toda a organização e articulação do modo de produzir cultura na atualidade, visando construir uma plataforma comum de trabalho e planejamento para o ano 2010/2011.
O Congresso de Santa Maria, faz parte das etapas Regionais do III Congresso Fora do Eixo. Seis congressos regionais serão realizados entre agosto e setembro deste ano, nas cidades Brasília (DF), Fortaleza (CE), São Carlos (SP), Santa Maria (RS), Belém (PA) e Belo Horizonte (MG). Após as regionais, acontecerá a etapa nacional do III Congresso Fora do Eixo, que será realizada entre os dias 10 e 17 de outubro, em Uberlândia (MG).

29 de jul de 2010

Arquitetura e fotografia. Peter Scheier: um fotógrafo moderno e a idéia de cidade

Conforme mostram os levantamentos e a reavaliação dos acervos e depoimentos deixados pelos fotógrafos atuantes especialmente entre os anos de 1930 e 1960, foi a partir das primeiras décadas do século 20 que as relações entre a arquitetura moderna e a fotografia se fizeram tão imbricadas que esta acabou por transformar-se em um paradigma da representação da modernidade arquitetônica. Mais que uma simples documentação a serviço da história da arquitetura e do ambiente construído, a fotografia tornou- se parte do discurso e o instrumento pelo qual os arquitetos modernos comunicaram as suas idéias sobre a arquitetura e a cidade.
Essa simbiose identificada na América do Norte entre fotógrafos e arquitetos modernos como Julius Schulman e Richard Neutra, ou o fotógrafo Ezra Stoller e seus arquitetos comitentes entre os quais Frank Lloyd Wright (1867- 1959), Mies van der Rohe (1886-1969), Marcel Breuer (1902-1981), Louis Kahn (1901-1974), Richard Meier (1934) e
Eero Saarinen (1910-1961), pode ser encontrada no Brasil entre o fotógrafo francês Marcel Gautherot (1910-1996) e o arquiteto Oscar Niemeyer (1907). Em São Paulo, profissionais da arquitetura como Rino Levi (1901-1965) e Gregori Warchavchik (1896-1972) – ele mesmo um apaixonado pela fotografia e retratista sensível – já reconheciam a importância da imagem como mediadora do objeto arquitetônico controlando a sua produção e reprodução.
A partir de uma série de imagens escolhidas no acervo Peter Scheier pertencente ao Arquivo Histórico Judaico Brasileiro/ AHJB, imagens estas que foram produzidas pelo fotógrafo imigrante Peter Scheier (1908-1979) ao longo das décadas de 1940 e 1950 nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, este artigo pretende lançar algumas hipóteses para uma análise a respeito da profunda relação que uniu fotógrafos e arquitetos modernos no Brasil, a partir da primeira metade do século 20.